Desde 2003 que a APAPE instituiu a atribuição de Bolsas de Formação dirigidas a Cardiologistas que terminaram a sua especialidade e que se interessem pela área da Arritmologia em geral e Electrofisiologia Clínica em particular.

Destinavam-se essencialmente a permitir obter as condições necessárias para que os candidatos se pudessem habilitar à subespecialidade de Electrofisiologia Clínica, no âmbito do Colégio da Especialidade de Cardiologia da Ordem dos Médicos.
De acordo com o exigido no regulamento desta subespecialidade, decidiu-se que as Bolsas fossem atribuídas numa base bienal, de modo a apoiarem estágios com essa duração em Centros em que pudessem adquirir as condições curriculares exigidas.

Em 2005, com a criação do IPRC, foi decidido que esta iniciativa passasse a ser conjunta, centralizando o Instituto os aspectos organizativos relacionados com a gestão das Bolsas e sua monitorização.

Desde foram sido abertas anualmente candidaturas para as Bolsas de Electrofisiologia Clínica, tendo sido admitidos entre um e três candidatos, seleccionados por um júri com a composição definida pelo regulamento.

Desde 2013 que não foram atribuídas novas Bolsas de Formação porque cessou o apoio financeiro das casas da Indústria de Dispositivos que até então tinham suportado esta iniciativa, não tendo sido possível arranjar alternativas.

Em 2016 as Direcções da APAPE e IPRC decidiram tentar reanimar esta iniciativa em moldes diferentes – na Assembleia-geral do IPRC (19 de Fevereiro de 2016) foi discutido o assunto das bolsas, tendo havido consenso em que se deveria manter uma bolsa anual, se bem que se devesse alterar o seu regulamento, visto terem-se modificado as circunstâncias que justificaram a sua atribuição – considerou-se que as bolsas deveriam ser atribuídas para premiar o mérito científico e não para remunerar estágios de preparação para a subespecialidade de electrofisiologia clínica.

Membros das duas Direcções (Daniel Bonhorst, Mário Oliveira, Pedro Adragão e Diogo Cavaco) elaboraram nesse sentido um novo texto para o Regulamento das Bolsas de Electrofisiologia Cardíaca, que foi aprovado em Outubro de 2016.

Com a entrada em funções da nova Direcção da APAPE, dirigida pelo Prof. Mário Oliveira, espera-se que durante o corrente ano se possam remover as dificuldades existente e obter apoios necessários para se poder abrir as candidaturas para uma Bolsa, ainda em 2017.

Junta-se em baixo o texto do novo Regulamento da Bolsa de Electrofisiologia Cardíaca da APAPE / IPRC.

Regulamento Bolsa de Electrofisiologia Cardíaca APAPE IPRC 2017