Mudança da localização e sede
Devido às condições económicas cada vez mais exigentes colocadas pela empresa proprietária do parque empresarial onde se situa a actual sede do IPRC (Lagoas Park), esta associação vê-se obrigada em 20120 a deslocá-la para outro local. que tenha condições mais aceitáveis. Terminando o actual contrato com o Lagoas Park no final de Fevereiro de 2019 essa mudança terá de ser concretizada nos primeiros meses do próximo ano. Está-se à procura de um local apropriado para esse fim, representando essa mudança, para além de toda a burocracia necessária para a cessação dos contratos anteriores e das diligências obrigatórias para o aluguer ou compra da nova sede, dos trabalhos exigidos para a mudança de todos nossos haveres para o novo espaço. Representará também um grande esforço económico pela necessidade de planear e executar, com recurso a um gabinete de arquitectura, as obras de adaptação do novo local às nossas necessidades, adicionada à exigência da administração do Lagoas Park para que reposicionemos as condições que encontrámos quando da instalação inicil da noss associação.

Condicionamentos para as actividades do IPRC
Tal como em 2018 e 2019 o funcionamento do IPRC em 2020 manter-se-á dependente das alterações introduzidas pelo Ministério da Saúde em 2017 (Decreto-Lei n.º 5/2017, de 6 de Janeiro) e pela entrada em vigor em 2018 do “Code of Ethical Business Practice” da MedTech Europe. Estas directivas, mesmo não tendo sido na prática aplicadas integralmente, continuaram a dificultar a relação entre os médicos e a Indústria, particularmente entre os aritmologistas e as Casas de Dispositivos Médicos / Material de Eletrofisiologia, pressionadas para cumprir um código de conduta imposto pela sua associação europeia.
A experiência de 2018 e 2019 permitiu contornar algumas dessas dificuldades, à custa de um aumento significativo do trabalho administrativo e burocrático das associações médicas. Pensamos em 2020 estabelecer contratos com cada uma das casas da Indústria de modo a criar condições para organizar as reuniões, cursos-ou outras actividades sem prejuízos financeiros e de molde a cumprir os preceitos legais obrigatórios.
Tendo as Associações Médicas passado a ser os únicos interlocutores autorizados a convidar profissionais de saúde para participar nas suas reuniões, responsabilizando-se pela sua inscrição, eventuais deslocações e alojamento, foi necessário implementar a instituição de bolsas de formação médica, atribuídas por estas associações, destinadas a médicos e outros profissionais de saúde de modo a que possam assistir às suas reuniões nacionais assim como a outras a nível nacional ou internacional. Não tendo capacidade financeira para financiar estas bolsas, o IPRC, tal como outras associações médicas, tem de recorrer a donativos que a Indústria Farmacêutica e de Dispositivos Médicos continua a disponibilizar e que podem legalmente ser recebidos desde que processo tenha a supervisão da Infarmed. A gestão deste processo, exigirá cada vez mais um grande esforço das Associações médicas, visto não terem experiência nem recursos humanos para esse fim. O IPRC pondera assim, dadas as suas caraterísticas, centralizar em 2019 o processo pelo que diz respeito à Arritmologia para o que se tem de se organizar e eventualmente aumentar o seu secretariado, eventualmente contratando uma ou mais pessoas para esse fim, passando a cobrar à Indústria um fee por este trabalho administrativo.
A nossa associação tudo fará para manter nas suas linhas gerais as características das reuniões científicas, nomeadamente o número e qualidade dos prelectores e moderadores, incluindo os convidados estrangeiros, o nível científico do programa, a categoria e boas condições do local da reunião, incluindo alojamento, salas de sessões, exposição técnica e espaços comuns.

Organização de reuniões científicas
Para além destes aspectos ligados à formação, o IPRC deverá manter em 2019 em conjunto com a ASPAPE a organização do todas as habituais reuniões científicas com base em donativos das casas da Indústria, em moldes que deverão ser incluídos nos contratos de natureza pontual ou de preferência anual a ser estabelecidos.
Para além da responsabilidade científica e a elaboração dos programas das reuniões, a sua divulgação e os convites dirigidos aos profissionais de saúde manter-se-ão totalmente como encargo do IPRC e APAPE. Propormo-nos assim manter ou melhorar as condições que temos dado aos participantes e à Indústria permitindo que esta possa desenvolver as suas actividades promocionais.
Pretende-se relativamente às reuniões científicas de 2020 melhorar a sua divulgação junto dos colegas beneficiando da experiência e dos dados recolhidos no contexto da organização das reuniões anteriores, tendo ainda em 2019 sido desenvolvidos esforços para prepaar o melhor possível as reuniões que irão ret lugar e 2019 – como habitual a grande reunião “Arritmias 2020” durante o mês de Fevereiro, a de Pacing em Maio e a de Electrofisiologia em Novembro.
Para estes e outros fins o IPRC procurará adaptar o seu trabalho a nível de secretariado melhorar a sua articulação com a APAPE, e disponibilizar a estrutura, nomeadamente a utilização da sua sede, incluindo a sua disponibilidade em meios humanos e tecnológicos.
Neste contexto, da reunião anual – “Arritmias 2019 deverá manter-se com a principal iniciativa conjunta das duas instituições pretendendo ambas que ela se mantenha como a principal reunião nacional de arritmias e ponto de encontro de todos os profissionais de saúde que se dedicam a esta área da cardiologia. O encontro está agendado para 21 e 22 de Fevereiro de 2019, mantendo-se, apesar de algumas dificuldades no Hotel Cascais Miragem, que continua a oferecer as melhores condições para as nossa necessidades.
Os trabalhos preparatórios para o Arritmias 2020 reunião começaram em Setembro de 2019, integrando a Comissão Organizadora membros das direcções da APAPE e IPRC. A primeira tarefa foi a definição do programa científico, que está praticamente concluído.
Como nas reuniões anteriores, o IPRC centraliza os aspectos organizativos, coordenando as relações com a Indústria e a logística da reunião, para o que conta com o apoio da habitual firma de eventos, especializada nesta área. A gestão do IPRC deverá concentrar a gestão dos aspectos económicos da reunião, o contrato e demais relações com o hotel, a organização dos espaços, incluindo as salas de sessões e a exposição técnica, o controlo dos secretariados central e local da reunião, a coordenação das listas de convidados e participantes, as refeições e coffe-breaks, a organização da sessão de posters, e ainda, com base em propostas da firma de eventos, a definição da imagem gráfica da reunião e sua aplicação à decoração dos espaços, cartazes, programa e sinalizações.
No segundo semestre de 2020, o IPRC estará envolvido com a APAPE na organização da reunião conjunta de arritmias para 2021.
Manter-se-ão nas datas habituais as reuniões anuais de pacing e de electrofisiologia, definindo o IPRC conjuntamente com a APAPE todos os pormenores da sua organização. A reunião dos Centros de Pacing deverá manter-se no último sábado de Maio em princípio num hotel localizado no Algarve. A reunião de Electrofisiologia está planeada para finais de Novembro, não estando ainda definido o local. O IPRC, como habitual, deverá participar na organização destas duas reuniões, integrando a comissão organizadora, colaborando na elaboração do programa, divulgando-o junto dos centros nacionais e a centralizando os seus aspectos logísticos, incluindo a reserva do local, a gestão das inscrições, a obtenção de apoios e contactos com a indústria.

Cursos
Na escolha da nova sede haverá a preocupação de privilegiar a existência de um espaço adequado para reuniões e cursos que se pretende sejam implementados com maior regularidade, visando particularmente internos de cardiologia, outros médicos em formação, candidatos à sub-especialidade de electrofisiologia clínica e outros profissionais de saúde.

Projectos de investigação, registos, publicações
Relativamente aos projectos de investigação, na sequência dos estudos Fama e Síncrone, já terminados e publicados, o IPRC está aberto a propostas de membros seus ou da APAPE para centralizar ou apoiar novos estudos multicêntricos, pondo à disposição dos investigadores dos seus meios logísticos ou informáticos.
A recolha e publicação dos dados dos registos anuais de electrofisiologia e pacing deverá continuar a ser centralizado pela APAPE, estando o IPRC disponível para dar o apoio necessário, quer nos contactos com os centros quer na disponibilização de secretariado e meios informáticos para se proceder à elaboração final dos registos e sua publicação.
Dadas as alternativas actualmente existentes para a fácil obtenção de cópias de artigos científicos, a pouca aderência dos sócios (incluindo os da APAPE) e outros médicos dedicados à Arritmologia e os elevados custos das assinaturas das revistas científicas, o IPRC decidiu em Assembleia-geral descontinuar o serviço de apoio bibliográfico, pelo que em 2019 este serviço não estará disponível.
Manteremos, no entanto, um pequeno número de revistas, importantes para os nossos sócios, mas difíceis de encontrar, que representarão um esforço económico limitado e exequível no nosso orçamento anual.
É nossa intenção criar de novo condições para podermos voltar a apoiar a publicação de trabalhos realizados em centros nacionais que venham a ser publicados em revistas estrangeiras de renome.

Portal
O IPRC deverá uma vez mais ser renovado, tentando-se melhorar quer a sua formatação e grafismo, quer os conteúdos. Pretende-se melhorar a divulgação das actividades da Associação, mantendo e ampliando as informações dadas sobre a actividade científica nacional no campo das arritmias através da rubrica “A Arritmologia Portuguesa no Mundo”, o único meio entre nós em que se divulga de forma exaustiva a participação dos aritmologistas portugueses nas mais importantes reuniões internacionais, incluindo os conferencistas, participantes em simpósios, mesas-redondas ou debates ou ainda as comunicações orais ou em forma de poster. Esta divulgação permite-nos aferir a dimensão actual da produção científica nesta área em Portugal,
Relativamente às publicações de centros portugueses nacionais em revistas internacionais indexadas, que atrás referimos, pretendemos através do site sensibilizar os centros para que nos enviem regularmente os seus dados neste aspecto.
Tentaremos divulgar junto de alunos de medicina, internos ou outros médicos e também doentes a possibilidade de poderem ser-nos feitas perguntas ou endereçadas mensagens dentro do campo da aritmologia. O nosso portal comporta já essa possibilidade que, no entanto, não tem sido aproveitada (as poucos perguntas que nos chegam têm sido enviadas exclusivamente por mail).

Patrocínios e Bolsas:
O Instituto manter-se-á disponível para patrocinar, se tal for solicitado, reuniões científicas, cursos, simpósios ou outras iniciativas no âmbito da sua área de interesse, desde que considere terem validade científica para o efeito.
Relativamente às Bolsas de Formação em Electrofisiologia, as Direcções da APAPE e IPRC, mantêm ainda em 2020 a Bolsa De Formação de 2 anos para jovens cardiologistas iniciada no ano anterior. Entretanto não vão se abertas candidaturas para os biénio de 2020/ 21, pois tendo sido posta em causa a actual política de bolsas, o problemas terá de ser discutido com a APAPE relativamente à sua manutenção no futuro

Outros assuntos
O IPRC pretende manter as relações com a Fundação Portuguesa de Cardiologia, e com a Associação Portuguesa da Portadores de Pacemakers e CDIs, convidando membros seus para as nossas reuniões ou participando em iniciativas para as quais for convidado.
O IPRC continuará a disponibilizar as suas instalações, para além das suas próprias reuniões, para cursos, reuniões internas de centros de arritmologia, de outras associações médicas, estando a contactar algumas casas da indústria para estabelecer um protocolo para que elas possam utilizar o auditório para as suas reuniões internas ou quando tiverem necessidade de organizar pequenas reuniões médicas.