Relatório de Actividades de 2019

Durante o ano de 2019, o IPRC desenvolveu as suas actividades habituais, muitas delas em colaboração com a Associação Portuguesa de Arritmologia, Pacing e Electrofisiologia (APAPE), de acordo com o protocolo assinado em 2007 entre as duas instituições, essencialmente a organização de reuniões científicas no âmbito da Arritmologia, centralizando a APAPE a vertente mais científica dos eventos e assumindo o IPRC os seus aspectos logísticos e de gestão financeira, para os quais está mais habilitada, dada a sua autonomia, a disponibilidade de instalações próprias e de um secretariado dedicado, o que lhe permite maior eficiência e flexibilidade.

Direcção e secretariado

O IPRC manteve em 2019 a sua sede no centro empresarial “Lagoas Park” Edifício 8, sendo o seu funcionamento assegurado pelo Presidente da Direcção, com o apoio de uma Secretária de Direcção e da colaboração do Vice-presidente e de alguns sócios em aspectos parcelares das suas actividades.

Cabe ao Presidente do IPRC coordenar toda a actividade do instituto, incluindo a parte organizativa e logística dos diversos eventos, os contactos externos e a manutenção do portal da internet. Para este efeito, desloca-se à sede pelo menos duas tardes por semana e sempre que necessário para as diversas reuniões, sessões de formação ou outras actividades.

A Secretária da Direcção tem por sua vez a responsabilidade pela manutenção das instalações, material de escritório e rede informática, assegurando quando necessário a reposição dos consumíveis. Tem ainda a seu cargo os contactos com a administração do centro empresarial no âmbito dos serviços por este prestados ao Instituto como é o caso da portaria, limpeza das instalações, fornecimento de água, electricidade e ar condicionado, reparações e segurança.

São ainda funções do secretariado os contactos pessoais necessários para o funcionamento do Instituto, nomeadamente no âmbito da organização de eventos, com fornecedores, laboratórios da indústria farmacêutica, firmas de dispositivos médicos, médicos e outros profissionais de saúde. Tem assim a seu cargo as comunicações, incluindo as telefónicas e a correspondência por via postal ou electrónica, assim como as operações da contabilidade corrente do Instituto.

Durante o ano de 2019, o Instituto manteve os serviços do seu advogado, que consultou por sempre que necessário, ou pediu pareceres por escrito sobre diversas questões surgidas na campo da sua actividade, nomeadamente assuntos legais relacionadas com a organização das reuniões, interacções com a Indústria ou problemas sobrevindos com a Administração do Lagoas Park.

Foram realizadas as Assembleias Gerais Ordinárias previstas nos Estatutos, tendo sido discutidos e aprovados, entre outros itens, o Relatório e Plano de Actividades, assim como o Orçaments e Contas.

A contabilidade continua a ser assegurada pela firma J. Patrocínio Ld.ª com a qual o Instituto mantém intercâmbio regular, com o apoio permanente ao seu secretariado, envio mensal da documentação e a realização de reuniões periódicas do seu responsável com o presidente do IPRC, para acompanhamento das contas e elaboração dos orçamentos anuais.

Reuniões Científicas

Reuniões anuais de Arritmologia

Nos dias 15 e 16 de Março de 2019, teve lugar no “Cascais Miragem Hotel” a principal reunião anual organizada pela APAPE e pelo IPRC, neste ano designada por “Arritmias 2019”.

A sua organização iniciada em meados de 2018, foi da responsabilidade de uma Comissão Organizadora, integrando elementos das Direcções da APAPE e do IPRC, que após a escolha da data e local se concentrou na elaboração do programa científico da reunião, para o que reuniu por diversas vezes na sede do IPRC, tendo procedido nesse contexto ao convite de prelectores e moderadores selecionados e ao anúncio da reunião aos responsáveis da indústria, arritmologistas e outros profissionais de saúde.

O IPRC centralizou a organização e logística da reunião, sempre com o apoio de uma firma especializada na produção de eventos médicos (no caso a firma “Eventos Xarm”), tendo assegurado a coordenação dos seus múltiplos aspectos organizativos (contracto com a administração do local da reunião, disposição das salas e espaço da exposição técnica, meios audiovisuais, elaboração da imagem gráfica da reunião, secretariado local incluindo serviço de hospedeiras, refeições e coffe-breaks, coordenação da lista de participantes, viagens aéreas e transfers dos convidados estrangeiros, etc.).
O Presidente do IPRC para além da referida coordenação interveio pessoalmente em múltiplos aspectos da organização do evento, nomeadamente a selecção da imagem gráfica da reunião, a decoração de espaços, a selecção dos menus, contactos com os representantes da indústria, a gestão das listas de inscrições assim como da deslocação dos convidados estrangeiros e alojamento dos participantes. Foi por fim o responsável pela gestão financeira da reunião, tendo superintendido a facturação referente aos apoios da Indústria, assim como os pagamentos ao hotel e todas as despesas da reunião, mediadas pela firma de eventos contratada.
De acordo com as novas regras que orientam as relações entre as Associações Médicas e a Indústria, foi a própria Organização a proceder aos convites dos profissionais de saúde, em grande parte mediados pelos responsáveis das Unidades Arritmologia, que foram contactados no sentido de indicarem quais os elementos da sua equipa que deveriam ser inscritos na reunião. A Organização procedeu ainda à reserva dos alojamentos no hotel para os participantes que vieram de outros pontos do país.

A exemplo do ano anterior foi necessário garantir com antecedência o apoio financeiro das Casas da Indústria, o qual foi baseado na comparticipação do ano anterior acrescentado do previsível aumento dos preços, em parte porque a data da reunião foi alterada para Março, de modo a articulá-la com o Congresso da associação europeia de arritmias (EHRA) que neste ano teve lugar em Lisboa de 17 a 19 desse mês.

Mais uma vez o número de inscrições ultrapassou as 300 (mais concretamente 312 participantes), entre médicos (arritmologistas, internos de cardiologia e cardiologistas gerais), técnicos de cardiopneumologia e enfermeiros dedicados a esta área.

A reunião contou com 92 participantes activos, entre prelectores, moderadores e membros de painéis, que totalizaram 73 médicos, 10 técnicos cardiopneumologistas e 9 enfermeiros. O facto de se ter associado a reunião ao Congresso da EHRA facilitou o convite de prelectores estrangeiros, que atingiram o número record de 15 membros integrados na faculty.

Os grandes temas da reunião foram a “abordagem integrada na fibrilhação auricular”, “arritmias e sistema nervoso autónomo”, o “impacto dos registos na prática clínica”, “avanços e desenvolvimentos futuros no pacing e CDIs”, “ pacing para-hisiano como alternativa da ressincronização”; “prevenção do AVC peri-ablação”, “dispositivos electrónicos implantáveis na insuficiência cardíaca”, “impacto prognóstico da ablação da FA” , “controvérsias na ablação de fibrilhação auricular” e “imagem e mapeamento na ablação das arritmias ventriculares”.

O programa incluiu uma série de sessões conjuntas com outras sociedades científicas nomeadamente com a Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (SOBRAC) representada pelo seu presidente, com a EHRA também representado pelo seu presidente (Hein Heidbuchel), abordando essencialmente registos nacionais e europeus, com os Young EPs da EHRA – uma sessão de casos clínicos, assim como com dois Grupoos de EStudso da Sociedade Portuguesa de Cardiologia – o da Insuficiência Cardíaca (dispositivos electrónicos na IC) e o da Trombose e Plaquetas (AVC peri-ablação).

As duas conferências que integraram o programa foram atribuídas a convidados estrangeiros: assim Haran Burri falou das “Pacing para-hisiano em vez de ressincronização cardíaca?”, enquanto Luigi Di Biasi abordou os “Aspectos controversos na ablação da fibrilhação auricular – os doentes mais complexos”.

O primeiro tempo da manhã de 6ª feira foi preenchido por uma das habituais sessões “Temas em foco”, em que se discutiram vários aspectos do tema “Abordagem Integrada da Fibrilhação auricular”, sendo a discussão dinamizada pelos coordenadores com base em perguntas respondidas televotação e comentários de um painel alargado de Arritmologistas e Cardiologistas Gerais. A sessão, largamente concorrida, suscitou como nos anos anteriores intensa discussão em que intervieram os prelectores, moderadores e elementos do painel.

O programa incluiu duas sessões de Casos Clínicos, uma dos Young EPs da EHRA e outra subordinada ao título “Diagnóstico e Opções Terapêuticas”, com seis casos clínicos seleccionados, provenientes de diversas Unidades de Arritmologia.

Como habitual, foi organizada uma exposição de posters, utilizando-se a metodologia electrónica, com a sua apresentação em écrans de larga dimensão, tendo sido atingido o número record de 52 comunicações. Pela primeira vez foram seleccionadas pelo Júri as seis melhores comunicações, que foram discutidas com os seus membros durante os intervalos da manhã. Destas, o Júri seleccionou três, sendo o 1º prémio para o melhor poster (prémio Medtronic) atribuído a uma delas e as outras duas classificadas como 2os prémios. No final da reunião, o primeiro autor do trabalho vencedor apresentou-o publicamente de forma resumida, numa sessão presidida pelos membros do Júri.

Na sessão final foram ainda apresentados os registos de electrofisiologia e de pacing referentes a 2018, pelos correspondentes Vice-presidentes da APAPE.

As casas de dispositivos médicos e laboratórios clínicos participaram na reunião a nível da exposição técnica, que incluiu nove stands, tendo três casas optado por hospitality-suites. Foram organizados dois simpósios da indústria (Biotronic e Boston Medical), que tiveram lugar no final das duas manhãs, na sala principal.

A partir de Setembro de 2019 foi iniciada pela APAPE e IPRC a organização da reunião internacional de 2020 (designada por “Arritmias 2020”). Foi decidido manter a reunião no Hotel Cascais Miragem. Foi elaborado um caderno de encargos, tendo sido definidos pelas Direcções da APAPE e IPRC os novos preços das inscrições e dos espaços na exposição técnica. Foram enviados pelo IPRC cartas a todos os laboratórios e firmas de dispositivos que operam em Portugal, anunciando a reunião, data, localização e preços e convidando-os a participar. A Comissão Organizadora englobou membros de ambas as Direcções, tendo reunido por diversas vezes na sede do IPRC para definir as suas regras e elaborar o programa científico.

Foi avaliado o impacto das novas regras introduzidas pelo Ministério da Saúde no início de 2017 (Decreto-Lei n.º 5/2017, de 6 de Janeiro) assim como das entrada em vigor a 1 de Janeiro de 2018 do “Code of Ethical Business Practice” da MedTech Europe, tendo-se aproveitado a experiência do ano anterior para se fazer as adaptações necessárias para a preparação da nova reunião.

Em meados de Novembro foi realizada na sede do IPRC a habitual reunião com a Indústria, em que foi apresentada a reunião e escolhidos os espaços da exposição técnica. No final do ano estavm completado o seu programa e definidos os principais aspectos da organização da reunião.

Reunião Anual dos Centros de Pacing

Nos dias 31 de Maio e 1 de Junho de 2019, teve lugar na sala de reuniões do Hotel Terceira Mar, em Angra do Heroísmo, Açores, a Reunião Anual dos Centros de Pacing, mais uma organização conjunta da APAPE e do IPRC. A reunião foi presidida pelos Drs. Leonor Parreira, presidente da APAPE e Daniel Bonhorst, presidente do IPRC, coadjuvados pelo responsável do Centro de Pacing local, o Dr. Vergílio Schneider.

Pretendeu-se com a realização da reunião nesta cidade homenagear os Centros de Pacing dos Açores, incluindo o do Hospital do Santo Espírito em Angra do Heroísmo (responsável Dr. Vergílio Schneider) assim como o do Hospital do Divino Espírito Santo em Ponta Delgada (responsável Dr. Dinis Martins), reconhecendo-se o volume e qualidade do seu trabalho assim como as condições adversas que a insularidade tantas vezes proporciona.

A coordenação científica e a elaboração do programa foi da responsabilidade de uma Comissão integrando elementos das Direcções da APAPE e IPRC, tendo o secretariado sido centralizado pelo IPRC e a nível local pelo Dr. Virgílio Schneider, que mobilizou o apoio das autoridades e de várias instituições locais, coadjuvados do ponto de vista logístico pela firma de eventos “Wide Travel”.

A reunião teve 48 inscrições, tendo estado representados a maioria dos centros nacionais de pacing, tendo contado com o apoio das cinco firmas da Indústria de dispositivos médicos que se dedicam a esta área, e pela primeira vez numa reunião de pacing por um Laboratório de Medicamentos (Bayer Portugal), os quais se fizeram representar por membros dos seus corpos gerentes e elementos dos respectivos staffs.

No final da tarde do dia inicial decorreu uma Sessão de Abertura, com a presença de autoridades locais (o Director Geral de Saúde dos Açores em representação do Secretário Regional da Saúde do Governo Regional da Região Autónoma dos Açores e a Presidente do Conselho de Administração do Hospital do Santo Espírito da Ilha Terceira). Seguiram-se dois Simpósios da Indústria, patrocinados respectivamente pela Bayer Portugal e pela Abbott Medical.

O programa científico abordou vários temas, distribuídos por três sessões, duas da parte da manhã e uma à tarde. As sessões matinais tiveram formatação semelhante, englobando duas apresentações e uma controvérsia, sobre o respectivo tema, intervindo na discussão final um painel de comentadores. Os temas foram a “Estimulação eléctrica na insuficiência cardíaca” e a “Prevenção da morte súbita no século XXI”.

A sessão da tarde foi dedicada a tema relacionados com a “Monitorização de arritmias” e “Detecção de eventos”, que recebeu o título de “O Framingham do ECG ou o novo Big Brother”, pois eram abordadas as novidades nesta área, incluindo as metodologias mais recentes e em particular a utilização de gadgets de áreas até agora alheias à medicina mas que poderão ter larga utilização futura no que chamámos um possível “Admirável Mundo Novo”, incluindo os seus aspectos controversos, nomeadamente as possíveis implicações éticas, as questões de segurança e a sensível problemática da protecção de dados.

A reunião terminou com uma sessão dedicada ao pacing nos Açores, tendo o Dr. Vergílio Schneider realizado uma resenha histórica sobre o assunto, referindo a sua introdução nos anos 70 e evolução posterior destas técnicas nos Açores, particularizando depois a actividade da Unidade de Pacing do Serviço de Cardiologia do Hospital do Santo Espírito de Angra do Heroísmo, de que é responsável, a qual incluiu a projecção de um interessante vídeo documentando o assunto.

Reunião Anual de Electrofisiologia

No dia 16 de Novembro de 2019 na Pousada de Viseu, teve lugar a Reunião de Electrofisiologia de 2019, organização conjunta da APAPE e IPRC. O programa foi elaborado por uma comissão integrando elementos das duas Direcções, tendo o secretariado e a logística sido centralizados pelo IPRC, com o apoio da empresa de eventos Xarm e do responsável pelo centro local, Dr. António Costa.

A reunião teve 64 inscrições, tendo estado representados todos os centros nacionais de electrofisiologia, com o habitual apoio das seis firmas da Indústria de dispositivos médicos ou outros materiais de electrofisiologia, os quais se fizeram representar por membros dos seus corpos gerentes e elementos dos respectivos staffs.

O programa científico foi desta vez politemático, abordando temas variados, desde arritmias ventriculares ou auriculares, até dispositivos implantáveis ou modulação do sistema nervoso vegetativo, terminando com a abordagem de novas técnicas utilizadas na ablação de arritmas.

Da parte da manhã tiveram lugar duas Mesas Redondas, focando a primeira temas variados relacionados com a ablação de vários tipos de taquicardia ventricular, tendo a segunda sido dedicada à abordagem diagnóstica e terapêutica de taquicardias auriculares secundárias à ablação de fibrilhação auricular.

A tarde foi preenchida por duas sessões curtas e uma conferência; a primeira revestiu-se da forma de uma controvérsia em que se discutiu o âmbito das indicações para uso do cardioversor-desfibrilhador implantável na prevenção da morte súbita; na segunda foi discutida a modulação do sistema nervoso autónomo no tratamento da “síndrome bradicardia – taquicardia” com a utilização de métodos tão diferentes como o Pacing ou a ablação por cateter; por fim a Conferência que coroou os trabalhos, foi proferida por um convidado estrangeiro, que abordou uma nova tecnologia para a ablação de arritmias – a electroporação, focando as suas vantagens e limitações.

Registos Nacionais

O IRC apoiou a recolha e tratamento dos dados dos registos nacionais referentes a 2018, centralizados pelos Vice-Presidentes da APAPE para o Pacing e para a Electrofisiologia.
Para esse efeito, foi solicitado a todos os centros o fornecimento dos dados dos seus doentes, colhidos através de uma plataforma informática entretanto criada, contemplando todos os dados importantes para se poder avaliar do ponto de vista estatístico a panorâmica da actividade nacional nestes campos. Esses dados foram apresentados na reunião Arritmias 2019, estando em curso a elaboração da respectiva apresentação por escrito para ser submetida à Revista Portuguesa de Cardiologia.
Projectos de Investigação

Estudo Síncrone

O artigo referente a este estudo veio a ser objecto de publicação durante o ano de 2019 (“Implantação de dispositivos de ressincronização e/ou desfibrilhação em doentes com insuficiência cardíaca: dados da vida real ‐ o Estudo Síncrone”.
Daniel Bonhorst, Sara Guerreiro, Cândida Fonseca, Nuno Cardim, Filipe Macedo, Pedro Adragão – Rev Port Cardiol. 2019;38 (1):33-41)

Bolsas de Formação

Na sequência da abertura das candidaturas para uma bolsa bianual de formação em electrofisiologia cardíaca por iniciativa da APAPE e do IPRC que teve lugar em Dezembro do ano anterior foi selecionado pelo Júri estatutariamente constituído pelos dois últimos presidentes da APAPE e pelo presidente do IPRC (que presidiu), apreciado as candidaturas, tendo o vencedor sido anunciado durante a reunião Arritmias 2019. Durante o ano de 2019 foi iniciada em Março o estágio da Bolsa 2019/20 e teve lugar o segundo ano do estágio correspondente à Bolsa de 2018/19.

Na sequência da reformulação da Bolsa Luso-brasileira, encabeçado pelo IPRC e Sobrac, estagiou num centro português durante o ano de 2019, uma médico brasileiro tendo sido atribuída uma Bolsa a um médico português que se candidatou nesse sentido e que realizou um estágio de 3 meses no Centro de Arritmologia do Serviço de Cardiologia do Hospital Universitário de São Paulo (Brasil).

……………………………………………………………………..

Apoio bibliográfico

Na sequência de decisão na Assembleia-geral de Março de 2019 foi cancelado o serviço de Apoio Bibliográfico devido ao elevado custo das assinaturas das revistas internacionais disponibilizadas, o reduzido número de pedidos de médicos não sócios do IPRC (não obtivemos dados sobre a utilização dos sócios a quem fornecemos os códigos de acesso) e a actual facilidade de meios de acesso através da internet a todo o tipo de revistas científicas. Assim, à medida que foram terminando os prazos de assinatura das diversas revistas, fomos deixando de as disponibilizar aos sócios ou a outros médicos

Patrocínios científicos

O IPRC manteve-se disponível para patrocinar iniciativas científicas da sua área que lhe sejam propostas desde as reconheça como idóneas.

Site do IPRC

Em 2019, o portal do IPRC manteve a sua imagem gráfica tendo sido missão do Presidente a actualização regular dos seus conteúdos. Neste contexto, para além da divulgação das reuniões e outras actividades no campo das arritmias, manteve-se actualizada a rubrica “Arritmologia Portuguesa no Mundo”, em que com a colaboração da sócia Dr.ª Katya Reis Santos, se coligiu de forma sistemática a participação em temas de aritmologia de autores portugueses em reuniões internacionais do seu âmbito. Tem-se tentado obter dados sobre as publicações dos centros nacionais de arritmologia em revistas estrangeiras de referência, o que não tem sido possível por falta de financiamento e obtido este, de colaboração dos centros de aritmologia.

Disponibilização das instalações

Durante o ano de 2019, a sede do IPRC foi utilizada nas diversas reuniões relacionadas com as suas actividades correntes, nomeadamente reuniões preparativas das comissões organizadores de eventos para a organização de eventos como o “Arritmias 2019 e 20” ou as reuniões sectoriais de pacing e electrofisiologia.
Como habitual, teve lugar na sede do IPRC em Novembro a reunião com a indústria para apresentação da reunião “Arritmias 2020” e escolha dos espaços na exposição técnica.
O IPRC manteve a disponibilização das suas instalações para a realização de cursos ou outras reuniões dos Centros de Arritmologia ou mesmo promovidas penas casas da Indústria, mas o espaço continua subaproveitado.

Relações com outras instituições

Para além da relação privilegiada com a APAPE, o IPRC manteve ligações com a “Fundação Portuguesa de Cardiologia – Secção Norte” e com a Associação Portuguesa de Portadores de Pacemakers e CDIs (APPPC), tendo elementos da direcção desta última sido convidados pela Direcção do IPRC para estarem presentes na reunião “Arritmias 2019”.