No dia 16 de Novembro de 2019 na Pousada de Viseu, teve lugar a Reunião de Electrofisiologia de 2019, organização conjunta da APAPE e IPRC. O programa foi elaborado por um comissão integrando elementos das duas Direcções, tendo o secretariado e a logística sido centralizados pelo IPRC, com o apoio da empresa de eventos Xarm e da responsável pelo centro local, Dr. António Costa.

A reunião teve 64 inscrições, tendo estado representados todos os centros nacionais de electrofisiologia, com o habitual apoio das seis firmas da Indústria de dispositivos médicos ou outros materiais de electrofisiologia, os quais se fizeram representar por membros dos seus corpos gerentes e elementos dos respectivos staffs.

O programa científico foi desta vez politemático, abordando temas variados, desde arritmias ventriculares ou auriculares, até dispositivos implantáveis ou modulação do sistema nervoso vegetativo, terminando com a abordagem de novas técnicas utilizadas na ablação de arritmas.
Da parte da manhã tiveram lugar duas Mesas Redondas, focando a primeira temas variados relacionados com a ablação de vários tipos de taquicardia ventricular, tendo a segunda sido dedicada à abordagem diagnóstica e terapêutica de taquicardias auriculares secundárias à ablação de fibrilhação auricular.

A tarde foi preenchida por duas sessões curtas e uma conferência; a primeira revestiu-se da forma de uma controvérsia em que se discutiu o âmbito das indicações para uso do cardioversor-desfibrilhador implantável na prevenção da morte súbita; na segunda foi discutida a modulação do sistema nervoso autónomo no tratamento da “síndrome bradicardia – taquicardia” com a utilização de métodos tão diferentes como o Pacing ou a ablação por cateter; por fim a Conferência que coroou os trabalhos, foi proferida por um convidado estrangeiro, que abordou uma nova tecnologia para a ablação de arritmias – a electroporação, focando as suas vantagens e limitações.

PROGRAMA DA REUNIÃO DE ELECTROFISIOLOGIA