PLANO DE ACTIVIDADES 2017

O IPRC deverá, em termos gerais, manter durante o ano de 2017 a sua linha de orientação geral, devendo estar preparada fazer frente a novas dificuldades nomeadamente com as orientações nacionais e europeias relativas à relação entre médicos e Indústria que levantarão certamente dificuldades acrescidas na organização de reuniões ou outros eventos. Deveremos por essa razão promover uma reunião das nossas associações (APAPE e IPRC) com elementos das casas de dispositivos e equipamento de electrofisiologia, para estudar a melhor maneira de continuarmos a organizar as nossas reuniões, beneficiando do apoio da Indústria.

Pretende-se por outro lado uma melhor articulação com a direcção APAPE, sempre com base no protocolo de colaboração estabelecido entre as duas instituições e beneficiando da estrutura e meios disponíveis no IPRC, mas com uma melhor definição das tarefas a serem cumpridos por uma e outra associação.

Neste contexto e como habitual, o aspecto mais relevante da colaboração das duas instituições deverá ser a parte final da organização da reunião anual conjunta – “Arritmias 2017” e a partir de meio do ano o início da preparação da reunião para 2018. Apesar das dificuldades previstas espera-se conseguir que a reunião de 2017 consiga manter o nível científico das anteriores e que mais uma vez constitua o núcleo dinamizador dos que se dedicam aos problemas do ritmo cardíaco em Portugal. O encontro está agendado para 3 e 4 de Fevereiro de 2016, uma vez mais no Hotel Cascais Miragem, que enquanto for possível continua a ser a nossa primeira escolha pelas suas excelentes condições para a realização de um evento científico. O IPRC continuará a centralizar a parte organizativa da reunião nomeadamente as relações com a Indústria e a coordenação dos aspectos logísticos, para o que contará com o habitual apoio de uma firma especializada na organização de eventos. A gestão do IPRC abrangerá ainda por acordo com a APAPE os aspectos económicos da reunião, o contrato e demais relações com o hotel, a organização dos espaços incluindo a decoração das salas de sessões e da exposição técnica, o controlo dos secretariados central e local da reunião, a gestão das listas de convidados e participantes, as refeições e coffe-breaks, a organização da sessão de posters, e ainda a escolha da imagem gráfica da reunião e sua aplicação à decoração dos espaços, aos cartazes, programa e sinalizações.

No segundo semestre do ano deverá iniciar-se a organização da reunião conjunta de arritmias para 2018, que em princípio deverá ter lugar como durante o mês de Fevereiro num local a designar, de acordo com as condições que vierem a ser impostas na altura pelas autoridades nacionais e europeias. Elementos da direcção do IPRC integrarão a Comissão Organizadora da reunião, participando no seu planeamento e divulgação, na elaboração do programa científico, no estabelecimento dos contratos necessários e demais aspectos logísticos, nos contactos e reunião preparatória com a indústria.

O IPRC irá em 2017 em colaboração com a APAPE, participar uma vez mais na organização de dois outros eventos anuais de dimensão limitada (reuniões de pacing e de electrofisiologia). A reunião dos Centros de Pacing deverá em princípio ter lugar em finais de Maio e a de Electrofisiologia em finais de Novembro, não estando ainda definidos com a APAPE os moldes destas duas reuniões, que se poderão afastar dos habituais.

Qualquer que seja a modalidade que venha a ser escolhida o IPRC colaborará na organização destas duas reuniões, integrando a sua comissão organizadora, divulgando-as junto dos centros nacionais e a centralizando os seus aspectos logísticos, incluindo a gestão das inscrições, a reserva do hotel, a obtenção de apoios e subsequentes contactos com a indústria.

Não tendo ocorrido em 2016 nenhum curso nas instalações da sede do IPRC pretende-se reavivar essa prática em 2017 para o que se tentará obter a colaboração da APAPE na escolha dos temas, definição do programa e participação activa no evento.

Relativamente aos projectos de investigação em curso, centralizados pelo IPRC, o estudo/registo de assincronia ventricular em Portugal (“estudo Síncrone”), atingiu a sua fase final, estando coligidos os dados suficientes para que se possam ser trabalhados, procedendo-se ao seu tratamento estatístico e obtendo-se as conclusões, apresentá-las em reuniões nacionais e posteriormente publicá-las, se possível na Revista Portuguesa de Cardiologia. Estão planeadas apresentações parcelares do estudo já na reunião Arritmias 2017; forma sumtidos resumos de sub-estudos ao Congresso Português de Cardiologia em Abril de 2017 e se possível tentaremos fazer uma apresentação prévia do estudo numa sessão especial desse congresso.

O IPRC manterá o apoio que a APAPE necessitar na recolha e publicação dos dados dos registos de electrofisiologia e pacing. Esse trabalho deverá continuar a ser centralizado pela APAPE, a qual deverá esforçar-se para obter os meios para que se possa estender a todos os centros o sistema informatizado para recolha e envio de dados, o que seria útil para os centros, facilitando a recolha dos dados.

A Direcção do IPRC durante o ano de 2017 vai manter o seu serviço de apoio bibliográfico, com base na actual lista de revistas assinadas, limitada genericamente às da área da arritmologia, electrofisiologia e pacing. Tendo os sócios do IPRC acesso às palavras passe não é possível monitorizar o número de consultas que no entanto nos parece ser significativa, mantendo-se esporádicos os pedidos de artigos por outros médicos, nomeadamente pelos sócios da APAPE. Pretende-se uma vez mais insistir, não só no site do IPRC mas também através dos órgãos da APAPE, na divulgação de um serviço de potencial utilidade.

Após a estabilização do novo aspecto e conteúdos do site do IPRC, pretende-se manter actualizados os seus testos, nomeadamente os da rubrica “A Arritmologia Portuguesa no Mundo” que pretende divulgar a intervenção da aritmologista portuguesa em reuniões internacionais assim como as publicações nacionais desta área em revistas internacionais indexadas Neste aspecto procuraremos encontrar uma maneira de conseguir que a informação nos chegue, pois os autores não têm sido sensíveis aos apelas que temos feito nesse sentido.

Em 2017 pretende-se continuar a melhorar o site, aproveitando possíveis aspectos interactivos, promovendo-se a capacidade já existente de médicos e doentes poderem colocar questões ou enviar comentários através do portal.

Enquanto os seus promotores o desejarem, o IPRC manter-se-á como patrocinador e consultor científico do Programa de Desfibrilhadores Externos Automáticos (DAEs) de Guimarães, ao qual continuará a dar apoio. O Instituto estará igualmente disponível para patrocinar, se tal for solicitado, reuniões científicas, cursos, simpósios ou outras iniciativas no âmbito da sua área de interesse, desde que considere terem validade científica para o efeito.

Relativamente às Bolsas de Formação em Electrofisiologia, o IPRC suspensas desde 2103 pretende-se em colaboração com a direcção da APAPE reintroduzi-las em 2017, para o que se procedeu já à revisão do respectivo regulamento.  Deverão para esse efeito   ser desenvolvidas diligências a fim de se conseguir obter financiamento para atribuir pelo menos uma bolsa por ano.

Pretende-se manter relações com a Fundação Portuguesa de Cardiologia, nomeadamente a Secção Norte, convidando-a para se fazer representar nas reuniões do IPRC/APAPE e colaborando nas iniciativas para as quais for convidada; deverão também ser mantidos os habituais contactos com a Associação Portuguesa da Portadores de Pacemakers e CDIs.

Mais uma vez o IPRC tentará promover uma maior utilização das suas instalações para reuniões próprias, cursos, reuniões internas de centros de arritmologia, de outras associações médicas, ou ainda das casas da indústria.